Histórias e memórias no bordado

Projeto Ponto de Memória:”Meninas Bordadeiras de Burarama” bordam mapas afetivos

13327474_1066193336801354_9112518399764413484_n

Bordando a vida com linhas de todas as cores, traços, abraços e amores que lembram raízes. É assim que as bordadeiras do distrito de Burarama, em Cachoeiro de Itapemirim, transportam suas emoções, lembranças e memórias para mapas afetivos por meio do bordado.

O projeto Ponto de Memória: “Meninas Bordadeiras de Burarama” existe há 15 anos e envolve mulheres da comunidade. Com leveza e simplicidade em cada ponto, a técnica do bordado foi sendo passada de geração em geração.

Mariângela Grillo Fassarela, coordenadora do projeto, define os momentos de dedicação como únicos e comoventes: “Estamos bordando a vida e nos emocionando, chorando, lembrando de infância”.

A mãe de Mariângela faleceu em março deste ano e deixou um último bordado. A peça foi completada pela filha com os dizeres: “Ana nasceu menina em maio de 1928. Viveu família, serviço, agulhas, linhas e orações. Foi para o céu menina em março de 2016, após terminar este bordado”.

Neste 2016, com o apoio da produtora cultural Caju Produções e da Secult, as mulheres realizaram oficinas para adolescente e demais interessadas em aprender arte e poesia expressadas com linha coloridas e agulhas.

13331132_1069825926438095_3501154041778321044_n

13312824_1068499766570711_3666825036258889456_n

 

Nas oficinas, as meninas recém-chagadas buscaram compreender o que seria transformar memória afetiva em bordado. Cada participante levou, de casa, objetos que evocassem lembranças importantes de suas vidas para a construção imagética através do desenho.

A oficineira Fabiane Salume pediu para que cada uma explicasse a escolha dos objetos. Segundo Fabiane, esse foi um dos momentos mais marcantes dos trabalhos.“Foi um momento de muita emoção, a cada relato as lágrimas de todos rolavam, as histórias de vida, alegres ou tristes ali compartilhadas fez nascer uma cumplicidade daquelas mulheres, ou melhor, daquelas ‘meninas’ de todas as idades que compõem o grupo”, contou.

A segunda etapa consistiu em desenhar, isto é, levar para o papel toda representação e significado das lembranças. Apareceram casas de infância, festas de aniversários, flores, a igreja da comunidade, o banquinho da praça que ora era cenário para conversas das amigas, ora namoro da juventude. Havia também pessoas que já partiram, lugares distantes no espaço, amigos, família, amigos e amores.

O passo seguinte foi bordar através dos desenhos, com cores e texturas, enriquecendo as histórias ponto a ponto.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *