19748821_1850768315186674_8048882076884969438_n

Memória de Muqui é revelada através de antigos rolos de cinema

Fatos da cidade são descobertos com a digitalização de acervo inédito de uma família tradicional do município.

Cineclube CineEstação

Cineclube CineEstação

Antigos rolos de cinema guardados por uma família de Muqui serão revelados e farão parte de um projeto social e cultural de cinema realizado pelo cineclube CinEstação. Jovens e adolescentes do município poderão conhecer e ter acesso ao cinema de arquivo, com imagens inéditas da cidade como fatos históricos e momentos pessoais da família Vieira de Mendonça.

A partir desta sexta-feira (28), os jovens terão contato direto com o material em oficinas de edição e finalização, e também experimentações de filmagem em uma câmera super-8.

As  atividade, ministradas pelo cineasta Lucas Bonini (ES), acontecem nos dias 28, 29 e 30 de julho e 18, 19 e 20 de agosto de 2017. E os filmes produzidos serão projetados em uma Mostra “Super-8”, no dia 09 de setembro durante o Festival de TV e Cinema do Interior do Espírito Santo/Muqui – Fecin.

O conteúdo audiovisual cedido pela família Vieira Mendonça  revela momentos importantes do município nas décadas de 70 e 80, como os tradicionais desfiles da cidade, o carnaval folclórico tradicional de Boi Pintadinhos, entre outros. Ao longo da oficina, a proposta é produzir um documentário com as imagens digitalizadas e, ao mesmo tempo, incluir novas imagens captadas pelos jovens participantes, mesclando imagens atuais em experimentações no diálogo entre poesia & patrimônio, com entrevistas atuais com quem viveu a época.

O objetivo da oficina é desenvolver e promover atividades culturais envolvendo grupos e coletivos juvenis de Muqui, aproximando o jovem com a prática do cinema (tão evidenciada em Muqui nos últimos anos) e exaltar as belezas históricas e cenográficas do município a partir de novos olhares da juventude local, formando, assim, jovens capazes de reconhecer a importância da cidade e seu processo criativo.

As ações ainda pretendem aproximar a ação audiovisual de Muqui com o conceito da economia criativa, tornando a antiga Estação Ferroviária em um espaço de fruição de conhecimento para a comunidade, atuando, sobretudo, na formação de público.

O objetivo do cineclube é realizar projeções audiovisuais e  atividades de formação. A intenção é continuar ocupando este espaço de forma dinâmica, proporcionando acesso de forma plural e gratuita.

Logo_Cineclube

O Cineclube CinEstação é uma iniciativa do Coletivo CinEstação com produção da Caju Produções e apoio da Prefeitura de Muqui e do Funcultura, Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo – Secult (ES).

Contato:

Sullivan Silva

(27) 3026 0051

contato@cajuproducoes.art.br

www.cajuproducoes.art.br

PROGRAMAÇÃO DA OFICINA

28 de julho

sexta-feira

17h-20h

Apresentação Super 8 (métodos, estilos, história)

Métodos de roteiro em documentário (apresentação de exemplos e referências)

Métodos de edição (atividade práticas e teóricas)

29 de julho

Sábado

9h-12h

– Divisão dos participantes em 02 grupos de trabalho.

– Início das atividades de edição

– A sugestão é que seja de aprox. 10minutos.

14h-18h

– Cada grupo desenvolverá um roteiro de filmagem em Super 8 pelas ruas de Muqui. Essas imagens vão complementar o mini-documentário.

– Continuação das atividades de edição das imagens digitalizadas dos 02 rolos da Família Vieira

30 de julho

Domingo

9h-12h

– Filmagem em Super-8 pelas ruas de Muqui.

14h-18h

– Filmagem em Super-8 pelas ruas de Muqui.

– Gravação de Off (narração) dos participantes se for o caso.

Intervalo de uma semana (ou mais) para digitalização das imagens feitas pelos participantes da oficina.

18 de agosto

sexta-feira

17h-20h

– Apresentação das imagens captadas pelos participantes

– Debate e reflexão sobre a imagens realizadas.

19 de agosto

sábado

9h-12h e 14h-18h

– Continuação das atividades de edição das imagens digitalizadas.

20 de agosto

Domingo

9h-12h

– Continuação das atividades de edição das imagens digitalizadas.

14h-18h

– Finalização dos mini-documentários.

– Apresentação dos filmes em conjunto e debate de avaliação (com o projetor Super 8).

Composicao 8_perfil

Festival de música de Muqui divulga bandas selecionadas

Terceira edição do Multipliqui acontece nos dias 8 e 9 de setembro, no Sítio Histórico de Muqui, no Sul do Espírito Santo.

_MG_7340

Multipliqui

O Festival Jovem de integração Cultural de Muqui – Multipliqui – divulga as bandas selecionadas para concorrer ao troféu Múltiplos: Los Zombres, In-versão Brasileira e Machimbo. As apresentações dos artistas locais do Espírito Santo vão acontecer ao ar livre, na Praça São João Batista, nos dias 8 e 9 de setembro.

Machimbo

Banda Machimbo

A terceira edição do festival recebeu 49 inscrições de bandas de todo o estado. A curadoria composta pelos músicos e produtores, Bruno Castro e Saulo Gasperoni, teve a difícil missão de escolher apenas três grupos para concorrer ao Prêmio Múltiplos de melhor banda e 2 mil reais.

“Foi analisado a excelência técnica, composição e comprometimento. O festival vem para afunilar as bandas profissionais que vão dar seguimentos em suas carreiras. Então, por o Multipliqui ser realizado por edital é justo que essas pessoas ganhem incentivo”, disse o músico Bruno Castro.

Banda Los Zombres

Banda Los Zombres

As bandas terão 40 minutos de apresentação. O púbico vai curtir estilos musicais que vão do Rap, Hip Hop ao Reggae capixaba. O grupo vencedor será escolhido por meio de votação popular durante o evento.

O 3º Multipliqui é uma realização do Coletivo Multipliqui, representado por Júlio Valim e produzido pela Caju Produções, com apoio do Funcultura da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo através do Edital Setorial de Música.

Machimbo

In-versão Brasileira 

Los Zombres

Multipliqui: Saia do quadrado!

Em 2017, o Festival de Integração Cultural de Muqui continua com foco na música com apresentação de artistas locais do Espírito Santo, abrindo seu leque de diversidade sonora, com bandas independentes e autorais. O tema desta edição é “Saia do quadrado” valorizando a diversidade.

O festival

O Multipliqui (com i mesmo, de Muqui, de integração, de invenção e interação) é um projeto de integração cultural que foi realizado pela primeira vez em 2014, como um movimento de cultura fruto da união de coletivos jovens, propondo ações de intercâmbio cultural e de linguagens, incentivando o turismo cultural e a economia criativa em parceria com o poder público, instituições culturais e sociedade civil. O objetivo do evento é promover trocas culturais nas mais diversas linguagens artísticas, movimentando a juventude do interior sul capixaba com experiências coletivas, tendo como palco principal das ações a cidade de Muqui, maior sítio histórico do estado.

logo cinza

Festival de Cinema de Muqui divulga filmes selecionados

logo cinza

Filmes de 09 estados brasileiros compõem a mostra competitiva da 6ª edição

Depois de avaliar mais quase 200 inscrições de filmes brasileiros e internacionais, a curadoria do Festival de TV e Cinema do Interior do Espírito Santo (FECIN), realizado desde 2012 na cidade histórica de Muqui, no sul do Espírito Santo, divulgou a lista final de filmes escolhidos para exibição em sua mostra competitiva.  Ao todo foram selecionados 14 obras de diretores de regiões como Brasília, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Os filmes foram escolhidos  por uma curadoria composta por Cláudia Puget e Ériton Berçaco, artistas e produtores moradores de Muqui. As produções serão novamente avaliadas durante o festival por um júri oficial e júri popular concorrendo ao tradicional troféu “Catraca” de melhor filme (documentário, animação, ficção e júri popular).

A novidade do Fecin em 2017 são as parcerias com coletivos e ações locais de artistas moradores de Muqui, entre eles o cineclube “CinEstação”, resultando em mostras de cinema em Super 8, oficinas de captação de som, novas mídias, teatro e atividades musicais.

O evento acontece nos dias 08 e 09 de setembro de 2017, na Antiga Estação Ferroviária, no centro histórico de Muqui, envolvendo oficinas, ocupações culturais na cidade, mostras de cinema, shows musicais e bate-papo com os realizadores. O Fecin é uma realização da Caju Produções.

wellington abreu - foto isabelle prado 3

Curtas selecionados para o Fecin 2017:

+ 1 Brasileiro, de Gustavo Moraes, Ficção, Vitória (ES)

Deus, de Vinícius Silva, Híbrido, São Paulo (SP), Pelotas (RS)

Em torno do sol, de Julio Castro e Vlamir Cruz, Ficção, Natal (RN)

Hora do Lanchêêê, de Claudia Mattos, Ficção, Rio de Janeiro (RJ)

Iluminadas, de Gabi Saegesser, Documentário, Recife (PE)

Improviso ambulante, de Leandro Aragão, Documentário, Belo Horizonte (MG)

Na quebrada, de José Augusto Muleta, Híbrido, Vitória (ES)

O Ferreiro, de Roberto de Nardi, Híbrido, Juiz de Fora (MG)

O homem que não cabia em Brasília, de Gustavo Menezes, Ficção, Brasília (DF)

O sabiá do samba,  de Beto Waite, Diego Tavares e Pedro Bálaco, Documentário, Rio de Janeiro (RJ).

Òrun Àiyé – Criação do Mundo, de Jamile Coelho e Cintia Maria, Animação, Salvador (BA).

Retirantes, de Maíra Coelho, Animação, Porto Alegre (RS).

Rio Verdadeiro, de Hidalgo Romero, Documentário, Campinas (SP).

Wesdra, o passageiro da agonia, de Armando Lima e Christian Caselli, Documentário, Rio de Janeiro (RJ).

 

TEMA FECIN 2017:

FECIN 2017: 6ª EDIÇÃO, 6º SENTIDO

O OUTRO LADO

IN.VISÍVEL

O SEXTO SENTIDO

O MUNDO PARALELO

O ALÉM

TEMPO

AS COISAS ESTRANHAS

A IN.TUIÇÃO

Sempre relacionando os sentidos e as inspirações humanas como o tato, o contato artístico, o intercâmbio cultural e os aspectos poéticos, líricos e oníricos, lúdicos e inventivos da criatividade em sua programação, o FECIN chega à sua 6ª edição lançando luz, olhar e reflexão para o outro lado, o mundo paralelo, no sujeito oculto, transversal, invisível, o espírito, as viagens pessoais, as imagens místicas, os sonhos e todos os devaneios audiovisuais possíveis. O que você vê do outro lado? O que está além de nós, do outro lado da tela? Que outro mundo possível existe nesse plano? O que está além da inteligência humana? O que está além da fantasmagoria?

Depois de uma edição comemorativa de cinco festivais, explorando os cinco sentidos humanos, em especial o tato e o contato, o FECIN chega à sua 6ª edição buscando no sexto sentido a inspiração para abordar o que está além do paladar, do olfato, do tato, da audição e da visão: o in-visível, a percepção extra-sensorial, a intuição. O tema será abordado em um encontro de bate-papo com cineastas, além de esquetes teatrais durante o evento e na identidade visual do festival.

 

Informações:

Sullivan Silva

sullivanfecin@gmail.com

(27) 998143649

Caju Produções

www.cajuproducoes.art.br

19748821_1850768315186674_8048882076884969438_n

Conheça os filmes da programação do CinEstação 2017

Comp Cinestacao_capa facebook_capa facebook

Filmes de ficção, documentário e animação compõem as mostras

1º PERÍODO / AGOSTO

MOSTRA CURTA INFANTIL – de 8h às 11h

os_atrasos_da_sol_cartazOs atrasos de Sol –  de Alessandra Martins e Henrique Ajala (SP,Ficção,10min)

Sol é uma criança inspiradora, com tanta luz interna, que possui um ponto de luz no topo de sua cabeça. Por causa de alguns atrasos para chegar até a escola, sua mãe passa a investigar mais de perto a rotina de sua filha e, ao observar a menina, descobre a beleza das pequenas coisas da vida e o ritmo desacelerado que esse olhar demanda.

A Baleia e o tesouro –  de Alunos da Escola Municipal Dr. Tuffy Nader (Vitória, Animação,05 minutos)

Uma baleia engolidora de gente guarda um tesouro precioso na boca do Rio Jucu.

Menino da gamboa – de Pedro Perazzo e Rodrigo Luna (BA,Fic, 14min)

meninodag_f02cor_2014130228Gum é uma criança de 9 anos nativa da praia da Gamboa. Ele nutre profunda admiração por seu irmão mais velho, carregador de malas dos turistas. De um jeito particular, Gum inventa uma maneira de ser como seu irmão.John Feldman e a Moto – de Rodrigo Gasparini (SP,Inf,15min)

5f564a81e38878d8d0d5ecb625f010ec

 

 

John Feldman é um menino viciado em filmes americanos, cansado de sua rotina ele decide viver uma aventura!

 

 

“Ele”– de 150 alunos da rede municipal de ensino de Vitória (Animação, 15 minutos)

MOSTRA JOVEM – de 13h às 17h

Doido lelé – de Ceci Alves (Salvador, Ficção, 17 min)

Doido-LeléCaetano sonha em ser cantor de rádio na década de 50 e foge todas as noites de casa para tentar, sem sucesso, a sorte no programa de calouros. Até que, uma noite, ele aposta tudo numa louca e definitiva performance.

Um de nós morre hoje – de Gabriel de Almeida e Weiller Vilela (MG, Ficção, 16min)

Em “Um De Nós Morre Hoje”, um faroeste à mineira, Antônio chega em um bar de um pequeno vilarejo e procura por um homem chamado Miguel. Ele o convida para uma cerveja, mas, não se trata de uma confraternização. Antônio irá acertar as contas de um passado obscuro.

Abrigo ao Sol – de Emerson Evêncio (Ficção, 18min)

Filme Abrigo ao Sol - Foto Senhora X e roupas na água.Abrigo ao Sol nasceu da imensa necessidade de relatar a melhor idade, a espera, despedidas e encontro pessoal. Seguindo a minha trajetória para contar sobre a vida de uma mulher sensível e interiorana, a Senhora X.

Do meu lado – de Tarcísio Lara (RS, Ficção, 14min)

As vidas de duas vizinhas, uma umbandista e uma protestante, começam a se cruzar.

Marlindo Paraíso e a Kombi do Amor – de Max Gaggino (Bahia, Ficção, 20min)

Marlindo-Paraiso_1Essa é a história de Marlindo Paraíso, o apresentador bipolar do programa televisivo de vídeo recados entre apaixonados “A Kombi do Amor”. Acompanhado por seu inseparável motorista Lelo, Marlindo Paraíso cruza os bairros populares de Salvador a bordo de uma kombi equipada com um mini estúdio precário. Através da Kombi do Amor, moradores de comunidades carentes de Salvador declaram seu amor pela pessoa perdida na esperança de reconquistá-la.

MOSTRA LONGA METRAGEM – de 19h30 às 21h

As Fábulas Negras – de Rodrigo Aragão – Ficção

As Fábulas Negras - Divulgação (2)Um  grupo  de  crianças  embarca  numa  aventura  macabra povoada  com personagens do imaginário popular brasileiro – lobisomem, bruxa, fantasma, monstro  e  Saci.  Com  o  encontro  antológico  entre  quatro  dos  nomes  mais importantes   do   terror   nacional:   Rodrigo   Aragão,   Petter   Baiestorf,   Joel Caetano e José Mojica Marins, o eterno Zé do Caixão

 

2º PERÍODO / SETEMBRO

MOSTRA INFANTIL – de 8h às 11h

A Baleia e o Tesouro – de Alunos da Escola Municipal Dr. Tuffy Nader (ES,Anim,5min)

A baleia e o tesouro f1Uma baleia engolidora de gente guarda um tesouro precioso na boca do Rio Jucu.

Nada, Nadador! – de Alunos do Projeto Animação (ES, Anim, 15mim)

Inspirados no “Poema do Nadador”, do poeta Jorge Mateus de Lima (1893-1953), os alunos criam um curta-metragem de animação.

O Bicho do Buraco – de Alunos da Escola Benônio Falcão de Gouveia (ES, Anim, 3min)

O-Bicho-do-Buraco f1A antiga Vila de Itaúnas abrigava cerca de dois mil habitantes, antes de ser soterrada pelas dunas. A extração de madeira provocou a degradação da restinga entre a Vila e o mar, movimentando o “mar de areia” que atingiu mais de 20 metros e obrigou os moradores a transferir a Vila para o outro lado do rio. As praias de Itaúnas estão entre as dez mais bonitas do Brasil.

Amor Mascarado – de Alunos da Escola do Campo e Estação de Ciências Margarete Cruz Pereira (ES, Anim, 7min)

Amor-Mascarado-1Um grupo de estudantes da Escola do Campo e Estação de Ciências “Margarete Cruz Pereira”, localizada na região de Alto Roda D’Água, resgatou diferentes elementos culturais, comunitários e educacionais do contexto rural do município para criar a animação “Amor Mascarado”.

Penedo – de Alunos da Escola Anacleta Schneider Lucas (ES, Anim, 2min)

O Penedo ergue-se a 133 metros acima do nível do mar e é considerado o guardião da Ilha de Vitória.

A Mulher dos Três Desejos – de Alunos da Escola José Cupertino (ES, Anim,3min),

A-Mulher-dos-Tres-Desejos-f1A Pedra dos Três Pontões é um símbolo paisagístico e ambiental de Afonso Cláudio, um orgulho para todos os moradores.

O Bruxo do Cosme Velho – de Alunos do Projeto Animação (ES, Anim,18min)

Uma viagem mágica até o coração e a mente de um dos mais importantes escritores brasileiros, Machado de Assis.

Dinossauro Rex – de Alunos da Escola Mariano Ferreira de Nazareth (ES,Anim,3min)

Rex era um dinossauro como outro qualquer até que decide rever seus conceitos.

MOSTRA JOVEM – de 13h às 17h

Brilhantino  – Documentário – de Ériton Berçaco – 15 minutos

Depois de perder suas terras, Seu Brilhantino se recusou a ir embora, passando a morar em uma caverna em sua antiga propriedade, em Muqui.

Os lados da Rua – Ficção – de Diego Zon – 15 minutos

Os-Lados-da-Rua_1Carrão é um garoto que, apesar de seu comportamento excêntrico, vive livremente em uma cidade do interior. Ao ser surpreendido por um acontecimento, ele precisará encontrar um caminho que o liberte novamente.

 

 

Pássaro de Papel – Ficção – De Léo Alves – 20 minutos

PdP 2

Seria possível guardar as memórias em pixels? Quem somos e para onde vamos através das fotografias?

 

 

 

 

Espera – Ficção – de Lucas Bonini – 20 minutos

MOSTRA LONGA METRAGEM – de 19h30 às 21h

Entreturnos – De Edson Ferreira – Ficção

Entreturnos-_-Mostra-Longas-3Entreturnos é um filme sobre pessoas comuns. Um cobrador de ônibus, uma dona de bar, uma atendente de caixa… Há pouco charme na vida de tais personagens, mas isso não as torna menos importantes. Pelo contrário, a naturalidade e a simplicidade dos protagonistas da trama criam uma estrutura muito interessante, sem vilões, mas com humanos.

 

 

Prêmio Multi Bandas Multipliqui

Inscrições abertas para o Prêmio Multi Bandas

Bandas que concorreram ao Prêmio Multi Bandas em 2016

Bandas que concorreram ao Prêmio Multi Bandas em 2016

Festival Multipliqui, em Muqui, recebe inscrições de bandas e músicos do Espírito Santo

Estão abertas até o dia 15 de julho as inscrições para o prêmio Multi Bandas do 3º Festival Jovem de Integração Cultural de Muqui, o Multipliqui. Pelo menos 3 grupos se apresentam no festival e concorrem ao troféu Múltiplos e prêmio em dinheiro de R$ 2 mil reais. As inscrições podem ser feitas através do site da Caju Produções. As apresentações musicais acontecerão ao ar livre, na “Praça São João Batista” nos dias 8 e 9 de setembro. A banda vencedora será selecionada a partir da votação popular.

Regulamento: https://goo.gl/WXQrFa

Formulário: https://goo.gl/FQ1WDK.

Além de seleção para o festival, o projeto criará um cadastro de informações de todas as bandas inscritas, a fim de convidá-las ou contratá-las em outras eventuais oportunidades. O 3º Multipliqui é uma realização do Coletivo Multipliqui, representado por Júlio Valim e produzido pela Caju Produções, com apoio do Funcultura e da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo através do Edital Setorial de Música.

Multipliqui: Saia do quadrado!

Em 2017, o Festival de Integração Cultural de Muqui continua com foco na música com apresentação de artistas locais do Espírito Santo, abrindo seu leque de diversidade sonora, com bandas independentes e autorais. O tema desta edição é “Saia do quadrado” valorizando a diversidade.

O festival

O Multipliqui (com i mesmo, de Muqui, de integração, de invenção e interação, ) é um projeto de integração cultural que foi realizado pela primeira vez em 2014, como um movimento de cultura fruto da união de coletivos jovens, propondo ações de intercâmbio cultural e de linguagens, incentivando o turismo cultural e a economia criativa em parceria com o poder público, instituições culturais e sociedade civil. O objetivo do evento é promover trocas culturais nas mais diversas linguagens artísticas, movimentando a juventude do interior sul capixaba com experiências coletivas, tendo como palco principal das ações a cidade de Muqui, maior sítio histórico do estado.  

Contato:

Sullivan Silva

(27) 3026 0051 – (27) 99814-3649

contato@cajuproducoes.art.br

www.cajuproducoes.art.br

Instagram facebook_oficina_facebook - instagram oficina

Super 8 é tema de oficina com jovens no Sítio Histórico de Muqui (ES)

Super 8

As atividades são oferecidas gratuitamente pelo cineclube CinEstação,na Antiga Estação Ferroviária de Muqui

Estão abertas até o dia 20 de julho as inscrições para as oficinas de Super 8 e outras técnicas cinematográficas oferecidas gratuitamente pelo cineclube CinEstação em Muqui. Podem participar jovens a partir de 14 anos residentes ou não no município. As oficinas possuem vagas limitadas e serão realizadas em dois finais de semana abordando métodos de roteiro, com etapa de gravação, edição e finalização em Super 8. A previsão é que a atividade, ministradas pelo cineasta Lucas Bonini (ES), aconteçam nos dias 28, 29 e 30 de julho e 18, 19 e 20 de agosto de 2017, resultando documentários produzidos pelos participantes compondo a Mostra de Cinema de Super 8, marcada para o dia 09 de setembro no FECIN, o Festival de TV e Cinema do Interior do Espírito Santo/Muqui. Inscrições podem ser feitas no e-mail: contato@cajuproducoes.art.br

O objetivo a oficina é desenvolver e promover atividades culturais envolvendo grupos e coletivos juvenis de Muqui,aproximando o jovem com a prática do cinema (tão evidenciada em Muqui nos últimos anos) e exaltar as belezas históricas e cenográficas do município a partir de novos olhares da juventude local, formando, assim, jovens capazes de reconhecer a importância da cidade e seu processo criativo.

As ações ainda pretendem aproximar a ação audiovisual de Muqui com o conceito da economia criativa, tornando a Antiga Estação Ferroviária em um espaço de fruição de conhecimento para a comunidade, atuando, sobretudo, na formação de público.

Cineclube CineEstação

Cineclube CineEstação

O “CinEstação” é um cineclube mantido por moradores de Muqui, realizadores e produtores culturais na Antiga Estação Ferroviária de Muqui. “CinEstação” lembra a palavra “sinestesia”, que dialoga diretamente com a proposta, uma vez que ele busca valorizar a relação do cinema com o patrimônio histórico da cidade. O objetivo principal da ação é manter o cineclube no auditório interno da antiga estação, realizando atividades de formação e difusão audiovisual. A intenção é continuar ocupando este espaço de forma dinâmica, proporcionando acesso de forma plural.

O Cineclube CinEstação é uma iniciativa do Coletivo CinEstação com produção da Caju Produções e apoio da Prefeitura de Muqui e do Funcultura, Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo- Secult (ES).

PROGRAMAÇÃO DA OFICINA

28 de julho

sexta-feira

17h-20h

Apresentação Super 8 (métodos, estilos, história)

Apresentação das imagens digitalizadas dos 02 rolos da Família Vieira.

Métodos de roteiro em documentário (apresentação de exemplos e referências)

Métodos de edição (atividade práticas e teóricas)

 

29 de julho

Sábado

9h-12h

– Divisão dos participantes em 02 grupos de trabalho.

– Início das atividades de edição das imagens digitalizadas dos 02 rolos da Família Vieira (cada grupo fica com as imagens de 01 rolo e eles precisarão editar/finalizar um mini documentário. – A sugestão é que seja de aprox. 10minutos.

14h-18h

– Cada grupo desenvolverá um roteiro de filmagem em Super 8 pelas ruas de Muqui. Essas imagens vão complementar o mini-documentário.

– Continuação das atividades de edição das imagens digitalizadas dos 02 rolos da Família Vieira

 

30 de julho

Domingo

9h-12h

– Filmagem em Super-8 pelas ruas de Muqui.

– Continuação das atividades de edição das imagens digitalizadas dos 02 rolos da Família Vieira

14h-18h

– Filmagem em Super-8 pelas ruas de Muqui.

– Continuação das atividades de edição das imagens digitalizadas dos 02 rolos da Família Vieira

– Gravação de Off (narração) dos participantes se for o caso.

Intervalo de uma semana (ou mais) para digitalização das imagens feitas pelos participantes da oficina.

 

18 de agosto

sexta-feira

17h-20h

– Apresentação das imagens captadas pelos participantes

– Debate e reflexão sobre a imagens realizadas.

– Continuação das atividades de edição das imagens digitalizadas dos 02 rolos da Família Vieira e das imagens captadas pelos participantes.

 

19 de agosto

sábado

9h-12h e 14h-18h

– Continuação das atividades de edição das imagens digitalizadas dos 02 rolos da Família Vieira e das imagens captadas pelos participantes.

 

20 de agosto

Domingo

9h-12h

– Continuação das atividades de edição das imagens digitalizadas dos 02 rolos da Família Vieira e das imagens captadas pelos participantes.

14h-18h

– Finalização dos mini-documentários.

– Apresentação dos filmes em conjunto e debate de avaliação (com o projetor Super 8).

Contato:

Sullivan Silva

(27) 3026 0051

contato@cajuproducoes.art.br

www.cajuproducoes.art.br

Composicao 8_perfil

Multipliqui: Saia do quadrado

Festival Jovem de Integração de Muqui acontece nos dias 08 e 09 de setembro de 2017

SAIA DO QUADRADO

A terceira edição do Multipliqui chega brilhando, pulsando, na vibração da cor e da luz neon! Em 2017, o Festival de Integração Cultural de Muqui continua com foco na música com apresentação de artistas locais do Espírito Santo, abrindo seu leque de diversidade sonora, com bandas independentes e autorais. Multiplicaremos energia! Multiplicaremos som & luz! Multiplicaremos Muqui! Passa o gliter no rosto e saia do quadrado!

O Multipliqui (com i mesmo, de Muqui, de integração, de invenção e interação, ) é um projeto de integração cultural que foi realizado pela primeira vez em 2014, como um movimento independente de cultura fruto da união de coletivos jovens de Muqui, no Espírito Santo, propondo ações de intercâmbio cultural e de linguagens, aproximando a multiplicidade das realizações da juventude com o turismo cultural e a economia criativa, incentivando a criação de conteúdo e projeção de materiais criativos, produzidos por jovens, em parceria com o poder público, instituições culturais e sociedade civil. Em sua primeira edição o projeto promoveu oficinas, apresentações musicais e ações envolvendo moda e audiovisual. Em 2017 o Multipliqui retoma suas atividades com foco na música produzida no Espírito Santo.

O objetivo do evento é promover trocas culturais nas mais diversas linguagens artísticas, movimentando a juventude do interior sul capixaba com experiências coletivas, tendo como palco principal das ações a cidade de Muqui, reconhecida como o maior sítio histórico do estado.  

O 3º Multipliqui é uma realização do Coletivo Multipliqui representado por Júlio Valim e produzido pela Caju Produções com apoio do Funcultura e da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo através do Edital Setorial de Música.

Contato:

Sullivan Silva

(27) 3026 0051

contato@cajuproducoes.art.br

www.cajuproducoes.art.br

19748821_1850768315186674_8048882076884969438_n

CinEstação inaugura atividades audiovisuais de 2017

Comp Cinestacao_capa facebook_capa facebook

A Mostra do Filme Livre e oficinas de cinema são algumas das atrações confirmadas

Oficinas e mostras de cinema vão marcar o início das atividades do Cineclube CinEstação em Muqui (ES). A programação começa nos dias 28, 29 e 30 de julho com a realização de uma oficina de Super 8 e outras técnicas cinematográficas destinadas a jovens da cidade e a Mostra do Filme Livre realizada em parceria com o projeto “Cineclubes Livres” considerada a maior ação em rede de cineclubes do Brasil levando filmes livres para diversas cidades de todas as regiões do país!

A Mostra do Filme Livre acontece no dia 29 de julho, sábado, com sessões de cinema gratuitas. Pela manhã, às 9h, acontece a Mostra Curtas Livres e as 19h30 com a Sessão de Longa Metragem seguida de música e comidinhas oferecidas por produtores locais no entorno da Antiga Estação Ferroviária.

34024810895_c60f7ddca0_o

Foto do filme Vando Vulgo Vedita

33926686081_24a3a60a9d_o

“Não me fale sobre recomeços” é o longa confirmado na programação

O Cineclube CinEstação é uma iniciativa do Coletivo CinEstação com produção da Caju Produções e apoio da Prefeitura de Muqui e do Funcultura, Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo- Secult (ES).

Contato:

Sullivan Silva

(27) 3026 0051

contato@cajuproducoes.art.br

www.cajuproducoes.art.br

 

PROGRAMAÇÃO:

 

CINEMA NA RODOVIÁRIA

29 de julho | Sábado

Antiga Estação Ferroviária de Muqui | gratuito

 

_filmes:

 

– Algo do que fica, ficção de Benedito Ferreira (GO)

– As ondas, ficção de Juliano Gomes e Léo Bittencourt (RJ)

– Cheiro de melancia, de Maria Cardozo (PE)

– Vando Vulgo Vedita, ficção de Adréia Pires, Leonardo Mouramateus (CE)

 

Classificação: 16 anos

 

CINEMA + MÚSICA

 

Nesta noite teremos pipoca, comidinhas e música rolando na entrada do Cineclube. Participe!

 

_filme:

– Não me fale sobre recomeços, ficção de Arthur Tuoto (PR)

 

19h30 – Sessão Longa Livre II

21h00 – Música com atração local

22h00 – DJ Shaynara

 

Classificação: 14 anos

 

Vila Velha Jazz & Blues Festival

Confira a programação do Primeiro Vila Velha Jazz & Blues Festival

Vila Velha Jazz & Blues Festival

Vila Velha Jazz & Blues Festival

Festival acontece nos dias 28 e 29 de abril, no Parque da Prainha. A entrada é gratuita.

Nos dias 28 e 29 de abril, o Parque da Prainha, em Vila Velha será palco da primeira edição do Vila Velha Jazz & Blues Festival. O evento vai reunir grandes intérpretes e instrumentistas da atualidade. O projeto surgiu com o compromisso de tornar o município um forte destino turístico no Brasil por meio da democratização da música, da cultura e de sua gastronomia, apresentando uma programação de alta qualidade técnica e artística, valorizando a música artesanal(não-comercial). A primeira edição do Vila Velha Jazz & Blues Festival proporciona um conjunto de vivências totalmente gratuitas, objetivando assim, ser um dos principais festivais do país.
Além das apresentações de bandas e músicos do Espírito Santo, o festival vai receber artistas dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, como a cantora Taryn (RJ), Hammond Grooves(SP), Big Gilson (RJ) , Gilson Peranzzetta (RJ) e Hammond Grooves (SP).

Durante o festival, das 17h às 23h, funcionará Praça de Alimentação e de Artesanato, com 120 expositores (80 restaurantes e 40 artesãos).
O festival é uma realização da Instituto Colibri – Cultura & Turismo, e prefeitura Municipal de Vila Velha, com produção da Caju Produções, patrocínio do Banescard e promoção da TV Gazeta.

CONVIDADOS: 

Big Gilson

O cantor, compositor e guitarrista BIG GILSON é o convidado especial da banda Like a Boss, que se apresenta no próximo sábado (29), às 22h, na primeira edição do Vila Velha Jazz e Blues Festival.

Big Gilson é um dos precursores do Blues no Brasil. Já dividiu palco na mesma noite com artistas do quilate de Steve Winwood (Brazilian tour), Johnny Rivers (70.000 pessoas), Johnny Winter, Canned Heat, Mick Taylor (Rolling Stones), Magic Slim, e duas vezes com o mestre B.B. King, entre outros.

Em 2014 foi indicado em duas categorias ao Grammy Latino – Melhor Álbum de Rock Brasileiro e melhor Álbum do Ano, com o trabalho “Aqui Pra Você”.

Em 2017 Big Gilson completa trinta anos de carreira.

Gilson Peranzzetta 

O pianista, arranjador e maestro brasileiro Gilson Peranzzetta, é o convidado da Orquestra Pop & Jazz, que se apresenta na sexta-feira (28), às 20h45.

Em sua produção musical, Peranzzetta compôs 200 músicas, lançou 46 CDs solo, além de centenas de CDs gravados para diversos artistas como arranjador, pianista e produtor.

Considerado um dos compositores mais refinados da música brasileira é autor de músicas que se tornaram sucessos mundiais como LOVE DANCE e SETEMBRO, em parceria com Ivan Lins e OBSESSION, em parceria com Dori Caymmi. A música SETEMBRO foi incluída na trilha sonora da premiada série norte-americana Dallas e no filme Boys´n the Hood.

Artistas nacionais como Djavan, Ivan Lins, Leila Pinheiro, Leny Andrade, Dori Caymmi, Nana Caymmi, Edu Lobo e artistas internacionais como George Benson, Sara Vaughn, Quincy Jones, Dianne Schurr, Dianne Reeves, Toots Thielemans, Shirley Horn, Nancy Wilson e Barbra Streisand gravaram suas músicas.
Recebeu por duas vez o Prêmio da Música Brasileira de Melhor Arranjador. Em 2012 com o CD Iluminado, de Dominguinhos e, em 2014, com o CD Metrópole Orkest, de Edu Lobo. Recebeu também também o XIII Grammy Latino de melhor álbum de música de raízes brasileiras.

Cesar Távora 

O gaitista é carioca radicado no ES há mais de 30 anos, um dos precursores do Blues no Espírito Santo, Cesar Távora, é o convidado da banda Big Bat Blues Band, que se apresenta no sábado (29), às 19h20.

César Távora foi integrante da banda Big Bat Blues Band, no qual tocou por 15 anos. Seu primeiro contato com o Blues foi em 1992, já tocando gaita diatônica  quando convidado para gravar as harmônicas do primeiro disco da banda Urublues, o primeiro cd de uma banda capixaba. Foi integrante também das bandas Tequila Blues e Fry Blues e já se apresentou no Rio das Ostras Jazz & Blues Festival.

Dia: 28 de abril de 2017 (sexta-feira)

19h20 – 20h20 – Brasilidade Geral (ES)
20h45 – 21h45 – Orquestra Pop & Jazz (ES) convida Gilson Peranzzetta (RJ)
22h – 23h – Taryn (RJ)

Dia: 29 de abril de 2017 (sábado)

18h às 19h – Bad Guys – Blues in Rock

19h30 – 20h30 – Big Bat Blues Band convida Cesar Távora (ES)

20h45 – 21h45 – Hammond Grooves (SP)

22h – 23h – Like a Boss (ES) convida Big Gilson (RJ)

Logo_Cine.Ema

Cine.Ema divulga filmes selecionados para 2017

cineema_burarama-103

Filmes de sete Estados brasileiros concorrem ao troféu “Burarama” na 3ª edição do Festival de Cinema Ambiental de Cachoeiro de Itapemirim.

Inspirado na Pedra da Ema, o “Cine.Ema” apresenta a seleção oficial dos filmes da mostra competitiva, que integra a programação da terceira edição do Festival de Cinema Ambiental. A curadoria, composta por Léo Merçon, Ilka Westermeyer, do Instituto Últimos Refúgios, e Roberta C. Fassarella, avaliou cerca de 100 obras cinematográficas de todo o Brasil. Foram selecionados 15 filmes de curta duração nas categorias de ficção, animação e documentário dos Estados do Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo, São Paulo, Minas Gerais, Paraíba, Distrito Federal e Pernambuco. O festival será realizado nos dias 30 de junho e 01 de julho, no distrito de Burarama.

Com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento socioambiental da comunidade, a Odebrecht Ambiental e a ANA, Agência Nacional de Águas, são algumas das empresas e instituições parceiras do festival. Os vencedores serão premiados em cada categoria com o Troféu “Burarama”, além do prêmio de votação popular.

Buscando fazer de Burarama uma referência cultural e turística no sul capixaba, o festival foi pensado para valorizar a Pedra da Ema localizada no distrito. A pedra leva este nome por estampar em sua superfície a figura de uma Ema, transformando-se num símbolo da região.

Animação Animais, de Guilherme Alvernaz, faz parte da mostra competitiva do CINE.EMA 2017

Animação Animais, de Guilherme Alvernaz, faz parte da mostra competitiva do CINE.EMA 2017

Em sua 3ª edição, o Festival Cine.Ema convida você a encontrar a origem da água e a se perguntar: de onde ela vem? De onde vem o Rio? E quais são as suas memoras das águas? Dos riachos, cachoeiras e córregos? Como ela surge e como manter sua fonte viva?

Nessa jornada, o Cine.Ema chega doce como as águas do rio, propondo um mergulho nas lembranças que marcam a memória das comunidades, mas também, na investigação da origem e na preservação das nascentes.

O Cine.Ema é uma realização do Ministério da Cultura, da Caju Produções e do Instituto Últimos Refúgios, com apoio da Odebrecht Ambiental, da ANA (Agência Nacional de Águas) e do Ministério do Meio Ambiente.

Ficção Enquanto canto, de Sil Azevedo, faz parte da mostra competitiva do CINE.EMA 2017

Ficção Enquanto canto, de Sil Azevedo, faz parte da mostra competitiva do CINE.EMA 2017