fundo1-180x180

Mulheres do Espírito Santo no cinema

Foto de Luana Laux

Primeiro filme completamente produzido pela Caju Produções, no Espírito Santo, tem 90% de mulheres na equipe.

Mulheres negras, mestiças, brancas, baianas, paraenses, capixabas, estreantes ou experientes no mercado audiovisual protagonizam Abelha Rainha, projeto de curta metragem vencedor do Prêmio Carmen Santos de Cinema do Ministério da Cultura, o único do Espírito Santo contemplado neste edital que homenageia, em seu título, uma das primeiras mulheres a produzir e dirigir filmes para o cinema brasileiro. O filme Abelha Rainha revela ambientes emocionais sensíveis em uma história de amor singela e ingênua, num ambiente feminino que favorece a construção de uma narrativa livre entre mulheres. A obra mostrará a relação de afeto e interesse da jovem Isabel por Iraí, uma vendedora de mel que mora no interior rural do Espírito Santo.

O roteiro, escrito por Léo Alves (um dos únicos homens da equipe) com adaptações da diretora, trabalha elementos bucólicos sob o ponto de vista de Isabel, que é uma jovem sonhadora, apaixonada, mas reprimida. O projeto é capitaneado pela estreante no cinema, a paraense Thayla Fernandes com produção executiva da baiana Luanna Esteves. Na equipe, destacam-se nomes de mulheres experientes no cenário audiovisual brasileiro como a atriz Suely Bispo e a diretora de fotografia Úrsula Dart. Além das funções de direção e produção, as mulheres também estão presentes na montagem e captação de som.

Uma das pioneiras no mercado da produção cultural no Espírito Santo, a Caju Produções também foi fundada por uma mulher em 2001. Tânia Silva começou sua trajetória na cultura em 1985, quando atuou na assistência de produção do primeiro show do Cazuza (conhecido também pelo apelido “Caju”) em Vitória (ES). Carioca radicada em Vitória, Tânia também assina a produção executiva do filme.

Segundo levantamento recente da Agência Nacional do Cinema, a Ancine (2017),  o mercado cinematográfico brasileiro é uma indústria protagonizada por homens brancos. Tendo como base os 142 longas-metragens brasileiros lançados comercialmente em salas de exibição no ano de 2016, a pesquisa mostra que são dos homens brancos a direção de 75,4% dos longas. As mulheres brancas assinam a direção de 19,7% dos filmes. Nenhum filme em 2016 foi dirigido ou roteirizado por uma mulher negra.

Com filmagens previstas para o mês de maio no distrito bucólico de Burarama, em Cachoeiro de Itapemirim, Abelha Rainha já é uma experiência de reflexão nos bastidores da pré-produção. Para Luanna Esteves, produtora executiva, o filme é um impulso para discussões sobre questões de gênero e representação.“Cada escolha no filme é uma oportunidade de exercer a escuta, dar voz, dar as mãos. Das escolhas estéticas, da narrativa… Tem sido um processo de muita sensibilidade, uma parceria real entre nós, mulheres. É um filme essencialmente feminino e tentamos trazer isso para o processo de sintonia da equipe também. Cada uma se coloca, agrega, soma e nos sentimos mais fortes, mais potentes assim”, afirma Luanna.

Para a diretora do filme, Thayla Fernandes o projeto também é uma oportunidade de politizar o mercado. “Acredito que no campo do audiovisual ainda há um número diminuto de mulheres ocupando funções principais, e não por falta de talento, de profissionalismo, de visão. Trabalhamos para que nosso curta seja mais um movimento no sentido de romper com isto, e da forma mais horizontal e coletivizada possível”, afirma a diretora.

Num tempo onde as mulheres ainda não alcançaram o grau de representatividade e equilíbrio na produção audiovisual do Brasil, discussões como estas se tornam muito importantes para o desenvolvimento do cinema.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *